O Adulto


O adulto emocionalmente maduro é aquele que está presente!

Essa é a verdadeira chave para que possamos diante de uma situação de conflito, sofrimento e dúvidas ser guiado pelo nosso Eu mais profundo num caminho harmonioso da jornada que é viver!

Todas as vezes que não estamos presentes no AQUI e no AGORA somos influenciados pelas diversas personagens que habitam nosso Ser, presas num tempo e espaço diferente do nosso, no passado ou no futuro.

Uma personagem que frequentemente nos visita  é a nossa criança machucada, aquela que precisa ser cuidada, alimentada, estimulada, aquela que precisa de um adulto responsável para lhe guiar.

Toda vez que nossa criança ferida atua no nosso presente ocorre uma enorme confusão dentro e fora de nós. Além de nos obrigar a sair do nosso presente, ela traz recursos de uma criança machucada que barganha, que precisa do outro. Ela ainda não tem a maturidade psíquica necessária para compreender que o outro não existe, dependendo totalmente do outro. Tudo que o outro faz e não faz por ela a afeta diretamente, criando uma dependência afetiva emocional, social, financeira, ocupacional enorme, o que leva o nosso adulto a uma zona de total desconforto, sofrimento e dor.

Se a nossa criança ferida foi reprimida, insegura,  proibida de expressar seus sentimentos, ela guia o nosso adulto muitas vezes para uma doença psicossomática, a depressão, a solidão, a relacionamentos abusivos e tóxicos etc.

É necessário superar essa fase simbiótica que nosso adulto/criança ainda se encontra para que nossa autonomia, empoderamento, confiança desperte no nosso presente. Para isso é preciso em primeiro lugar não esquecermos em que tempo e espaço nos encontramos, neste caso: O ADULTO.

Quando ativamos este estado de presença, podemos com uma maior tranquilidade revisitar esse passado sombrio da nossa criança e acolhê-la, explicar a ela o que está havendo, com verdade e amor. A necessidade de acolhimento da nossa criança será suprida, mas não mais pelos nossos pais ou adultos responsáveis por nós, mas sim pelo nosso adulto maduro e consciente.

Quebrar esse ciclo de expectativa que o outro deve nos alimentar, nos cuidar, nos aninhar só é possível quando compreendemos que o outro nos ofertou tudo que podia nos dar, a começar pela Vida.

O adulto sadio tem essa visão e percepção! Ele é consciente, presente e grato.

Esse caminho de encontrar e ativar o nosso adulto não é tão simples quanto parece, mas é possível! E para isso precisamos em primeiro lugar respirar e nos sentirmos presente no presente, para nos lembrar todos os dias onde estamos e quem somos hoje.


        

Deixe uma resposta