A Psicologia e Eu

Para inaugurar esse novo espaço em que me disponho de corpo, alma e alguma bagagem de conhecimento e vivências que tenho acumulado ao longo da minha jornada pela psicologia como profissão e com a vida, acho que contar um pouco desta experiência fará você conhecer melhor meu trabalho.
Desde criança venho experimentado o ambiente acolhedor que a psicoterapia oferece. Na adolescência descobri que as relações humanas eram muito mais misteriosas do que eu poderia supor, e gostava de conhecer e compartilhar histórias de vida com as pessoas, o que garantiu a certeza da minha escolha quando estava frente à inscrição para o vestibular.
Iniciei em 2000 o curso de psicologia na Puc-Campinas e  pude compreender o quão valioso é o espaço terapêutico e todas as possibilidades que nele poderiam ser exploradas. No ultimo ano do curso, já sabendo que o diálogo mais próximo que eu poderia adotar era o da psicanálise ou da abordagem analítica, descobri Melaine Klein e o trabalho de Raquel Soifer, Myriam Szejer, Laura Gutman, entre outras, sobre a psicologia da gestação, parto e puerpério. Não tive mais duvidas sobre o caminho que me aguardava.
Após vivenciar um trabalho de acolhimento a gestantes de uma comunidade carente e descobrir todo o potencial de cura que existe durante este processo tão intenso que é a maternidade, desenvolvi um trabalho junto a uma equipe multidisciplinar para o atendimento exclusivo a este público.

O Espaço Chá de Bebê (clínica que criei em Campinas/SP em 2010 para o atendimento de gestantes e puérperas) nasceu da necessidade de empoderar as mulheres ao papel de mãe e como este empoderamento ajudava na resolução de angustias passadas, no fortalecimento do vinculo mãe-bebe, e numa transição mais consciente ao novo papel que cada membro da família venha a desempenhar.

Ao longo deste tempo e diante de tantas histórias fui percebendo que o espaço terapêutico é muito mais do que um espaço acolhedor que lhe encaixará suas dores e sofrimento a uma resolução interpretativa teórica.

Estar presente de corpo e alma e disposto a uma profunda troca que gentilmente chamamos de relação empática, conseguir buscar nas sombras de um relato de experiencias de vida pistas incríveis sobre a natureza dos talentos e do sofrimento humano, é de fato o elemento transformador deste trabalho e o que realmente pode garantir que o protagonismo seja exercido diante da sua própria história.

Diante disso, estou abrindo as portas do meu novo consultório. Não somente às mulheres e mães, mas ampliando para todos aqueles que, assim como eu, buscam compreender ainda mais o potencial que existe dentro nós que possa nos libertar daquilo que nos enfraquece, a fim de tornar as nossas relações humanas com o mundo e consigo mesmo mais saudáveis.

Sejam bem vindos!